Saiba como explicar aos clientes sobre os diferentes tipos de madeira

Você que trabalha com móveis, já deve ter ouvido algum cliente perguntar: “de que tipo de madeira essa peça é feita”? Algumas pessoas já têm uma preferência, seja por experiência própria ou porque ouviram falar que “tal madeira é boa para móveis”. Mas e você? Está preparado para responder e argumentar sobre isso?

Atualmente quase todas as espécies de árvores fornecem matéria-prima para a fabricação de peças de mobiliário: elas diferem entre si pela cor, textura, durabilidade e facilidade com que podem ser moldadas, entre outras características. Separamos as mais comuns para que você possa explicar e argumentar com seu cliente sobre o melhor tipo de madeira para o móvel que ele procura. Vamos explicar também porque móveis de “madeira maciça”, apesar de estarem relacionados à qualidade, nem sempre são tão bons assim.

Pinus

Madeira de reflorestamento, o pinus foi introduzido com sucesso no Brasil nos anos 70, proveniente da América do Norte. No Brasil, as árvores estão presentes em diversos estados, principalmente nas regiões Sul e Sudeste. Tem como principal característica a cor clara e é bastante usada em artigos de esporte e brinquedos educativos. E quanto aos móveis? Apesar do seu fácil manejo, não é a melhor madeira para a confecção de mesas, cadeiras e bancadas. Por ser altamente permeável e porosa, é suscetível ao ataque de fungos e cupins, mesmo sendo maciça.

Jequitibá

É considerada a maior árvore nativa do Brasil podendo chegar até 50 metros de altura e sete diâmetros de tronco. Existem três espécies conhecidas desta árvore: o jequitibá rosa, o branco e o vermelho. O Jequitibá pode ser encontrado principalmente nos estados de São Paulo, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. A madeira do Jequitibá tem uma grande demanda para a fabricação de móveis e pouca oferta (a árvore está na lista das espécies ameaçadas de extinção), por isso ela só pode ser extraída de forma legal, responsável e com o compromisso de reflorestamento. É uma ótima opção para a confecção de móveis pois tem densidade média, ou seja, é fácil de ser trabalhada e pode dar origem à móveis de vários formatos além de possibilitar um ótimo acabamento.

Tauari

Árvore da região amazônica, de flores rosadas, é encontrada em uma extensa área que abrange principalmente os estados do Pará, Amazonas, Acre e Rondônia, atingindo também o Maranhão e o Mato Grosso.  Sua cor vai de branco palha até levemente rosada. A madeira de Tauari é macia ao corte e possui densidade média. Isso permite que seja bem trabalhada, sendo ideal para confecção de peças curvas e com ótimo acabamento. Outra vantagem dessa madeira, é a facilidade de manutenção: por ser permeável para várias substâncias, se preservada tem longa vida útil.

Jacarandá

Essa madeira pertence a um grande número de árvores de diferentes famílias originárias da América do Sul. O jacarandá tem madeira de lei, isto é, madeira forte e de qualidade, que foi bastante usada na fabricação de móveis, tacos de assoalho e molduras desde o início da colonização portuguesa. Atualmente esta madeira é bastante usada na fabricação de móveis pela beleza e durabilidade. Além disso, pelas suas características, os móveis de Jacarandá permitem que as peças tenham ótimo acabamento.

Mogno

Árvore da região amazônica bastante explorada e conhecida pela qualidade da madeira. Trazida para o sudeste, se adaptou muito bem às condições climáticas. Sua madeira é pesada e dura, porém tem baixa resistência ao apodrecimento, ataque de cupins e é pouco durável quando em contato com o solo e a umidade. De cor avermelhada, o mogno é bastante usado na fabricação de bancadas, mesas, cadeiras, estantes e outros móveis “pesados”. Atualmente, seu uso exige o reflorestamento, por isso o custo é mais elevado.

Madeira Maciça

As pessoas adoram a expressão “madeira maciça”. É quase um atestado de qualidade para o produto, certo? Errado! Nem todas as madeiras maciças são, necessariamente, de qualidade. Por exemplo, se uma madeira não é boa para móveis, o fato de ser maciça não quer dizer que ela terá qualidade e durabilidade. Então, o importante é que você entenda bem sobre os tipos de madeira utilizados na fabricação de móveis e que nem sempre os de “madeira maciça” significam durabilidade e beleza.

Conclusão

 No momento em que o cliente perguntar o tipo de madeira de um móvel, diga a ele quais são suas características, lembrando de explicar que nem sempre a madeira maciça é a mais vantajosa. Além disso, é preciso explicar, além da espécie, o tipo de madeira, como por exemplo, se em MDF, MDP ou compensado.

Saiba mais sobre isso aqui e boas vendas!

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn0

Newsletter

Informe seu e-mail e receba nossos informatívos.

Obrigado por assinar nossa Newsletter!